quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O Início da colonização nos EUA


A Inglaterra nunca aceitou a divisão do Tratado de Tordesilhas sobre a América. Evidente, pois também queria um pedaço do Novo Mundo. A situação se tornou mais explícita com a Reforma Religiosa promovida pelo rei Henrique VIII, da dinastia Tudor. Afinal, a divisão entre Portugal e Espanha era patrocinada pela Igreja Católica. Não que uma tenha sido causa da outra, mas reforçou a rejeição ao Tratado.
Elizabeth I
A monarquia britânica sempre foi muito frágil e limitada pela nobreza local. Mesmo assim, Elizabeth I, filha de Henrique VIII entra em guerra marítima contra a Espanha. Uma das estratégias desse confronto era a pirataria: o ataque dos corsários (bandidos patrocinados pela Coroa britânica) contra galeões espanhóis na costa da América Central e norte da América do Sul. O conflito culminaria na derrota da “Invencível Armada”, a marinha do governo de Castela em 1588.
Desse modo,a rainha Elizabeth I deu a sir Walter Raleight concessão para começar a colonização inglesa da América, em uma região que a rigor não recebeu o interesse dos espanhóis: o norte. Seguia-se o mesmo modelo das capitânias hereditárias da América Portuguesa, ou seja: a coroa sem capital para financiar a aventura da conquista, terceiriza as funções. A colonização dos EUA foi uma iniciativa privada e não estatal.
A bem da verdade, as “colônias do norte”, ou as que tiveram “colonização de povoamento”, eram desinteressantes para os europeus, pois possuía o mesmo clima do continente destes, não tendo características que possibilitassem a produção de “especiarias”.
Entre 1584 e 1587 sir Walter Raleight criou expedições para esta nova terra, que chamou de Virgínia, em homenagem a sua rainha, que seria virgem. Porém, a empreitada de Raleight dura pouco tempo: ataques de indígena e a fome pela falta de noção desses colonos de lidar com a terra, acabam com essa primeira iniciativa.
Os ingleses continuaram insistindo na colonização, criando companhias comercias como a de Londres e a de Plymouth, que também tiveram concessões no novo mundo. Houve, entretanto, novo fracasso e ambas tiveram sua licença cassada em 1624 e 1635, respectivamente. Mesmo assim, entre 1607 e 1733 foram fundadas as treze colônias que dariam origem aos EUA. Sempre marcado pela ação de particulares.
As 13 colônias

Os colonos ingleses na América eram, em geral, miseráveis que fugiam de uma condição social adversa na Europa. Eram uma espécie de refugo, o Novo Mundo foi válvula de escape para alguns indesejados, pois a Inglaterra já enfrentava um problema de superpopulação no século XVII. Junto com estes rejeitados vinham, trazidos à força, órfãos, que serviam de servos para os primeiros colonos e mulheres que se dispunham ser vendidas para os colonos. Não é preciso muito esforço para supor que estas mulheres fossem de uma classe social extremamente necessitada.
O Mayflower, navio onde vieram
os "peregrinos".
Portanto o início da colonização dos EUA foi marcado por homens que foram colocados de lado na Inglaterra, mulheres que aceitavam ser vendidas e órfãos raptados. Mas ainda existem os “pais peregrinos”, que seriam os fundadores da nação americana.
Pois bem, estes eram puritanos, os calvinistas ingleses. A Inglaterra, durante o governo de Jaime I, já sob a dinastia Stuart, impôs uma série de perseguições religiosas aos católicos e calvinistas. Portanto, esses “pais peregrinos” vieram fugidos para a América.
Chegaram no território onde hoje é Massachusetts em 1620, a bordo do navio Mayflower e sob o controle da Coroa Britânica. Mas estes que são apresentados como os fundadores dos EUA, não representavam de fato toda a população que habitava a colônia. Pelo contrário: era apenas uma parcela de tantos rejeitados na Inglaterra.
Bibliografia:
Karnal, Leandro; Fernandes, Luiz Estevam; Morais, Marcus Vinicius de; Purdy, Sean. História dos Estados Unidos: das Origens ao Século XXI. São Paulo, Editora Contexto, 2007.
Anderson, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo, Ed. Brasiliense,1985.

Um comentário:

Down disse...

Obrigada por postar.gostei muito do seu post. Muito interresante.