quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Independência da Líbia

Semana passada as imagens da morte do ex-ditador líbio, Kadafi, rodaram o mundo. Ele esteve no comando do país desde 1969. Mas vamos verificar o que se passou na Líbia antes disso.
Até 1911, a Líbia fazia parte do Império Otomano. Com a ruína deste, a Itália passou a controlar a região, sendo mais uma colônia africana dos países europeus. Contudo, o domínio italiano se desfez após a Primeira Guerra Mundial, quando o povo local recuperou a autoridade sobre a região, com exceção de parte do litoral.
Durante a Segunda Guerra, em 1939, a Itália retomou o poder sobre a Líbia, não sem resistência da população. Ocorre que a maioria dos italianos vivia em meios urbanos, o que dificultava o controle sobre a terra.
O rei Idris, com o então vice-presidente
dos EUA, Richard Nixon
Com o desembarque das tropas aliadas, dos EUA e da Inglaterra, no norte da África em 1941, o domínio italiano sobre a região caiu em 1942, mesmo com a ajuda dos alemães. Ao final da Segunda Guerra, a Líbia fica com tutela da Inglaterra. Ou melhor, duas das grandes regiões que formam o país ficaram sob domínio britânico: a Cirenaica e a Tripolitânia. Fazzan estava sob a autoridade da França.
Depois do conflito, estava na ordem do dia, a emancipação das antigas colônias européias. Surgiu na ONU, a ideia de que na Líbia fosse aplicado um sistema no qual o seu território seria administrado por outra nação, mas sob o mandato da ONU.
O rei Idris, com Nasser, presidente
do Egito
Evidentemente que os líbios rejeitaram essa proposta. Os grupos locais queriam a independência, mesmo que não confiassem muito na futura relação entre as três principais regiões, Cirenaica, Tripolitânia e Fazzan. Em 1949, a ONU aprovou uma resolução apoiando a independência.
O país se torna independe em 1951 e o rei Idris ascende ao poder. Ele fazia parte da ordem sanusita, ligada à região da Cirenaica, que ajudou os aliados na expulsão dos italianos durante a Segunda Guerra. Por muito tempo, EUA e Grã-Bretanha mantiveram bases militares no país.
Até que em 1969, o rei Idris é derrubado por uma coligação entre intelectuais e militares oficiais e Kadafi assume a presidência do país, só saindo de lá em 2011.
Bibliografia:
HOURANI, Albert. Uma história dos povos árabes. São Paulo, Companhia das Letras, 1994.

2 comentários:

Meu esporte, minha vida.. disse...

Nossa, isso me ajudou muito. Tenho que fazer um mosaico e elaborar um texto sobre a Líbia, e não achei nenhum site que respondesse as minhas perguntas, apenas esse.

Giovanna Santos Barroso disse...

Gostei muito!preciso fazer um trabalho,e isso me ajudou mto!